Cutting: quando a dor de dentro é maior que a dor de fora

Por Daniela Piroli Cabral

contato@danielapiroli.com.br

   “Se a dor não ressoa em ninguém, ela se mantém no próprio sujeito e é

redirecionada para o corpo próprio” (Birman, 2003).

Cutting ou comportamento de automutilação
é definido como um tipo de comportamento autolesivo que abrange a
destruição do tecido corporal de si próprio, incluindo cortes
(self-cutting) e comportamentos associados (arranhões e queimaduras).
Trata de um problema de saúde mental global e de elevada prevalência
entre os jovens. Estudos sinalizam que entre 7 e 35% dos jovens
apresentam este problema.

Geralmente, os corte autodirigidos são
feitos com estiletes, lâminas de barbear e de apontadores de lápis,
facas, tesoura, compasso, cacos de vidro, e envolvem a relação entre o
corpo e a expressão do sofrimento, mas não necessariamente a intenção de
se matar. Sentimentos como raiva e hostilidade, ausência de esperança no futuro e tristeza
estão associados à violência autodirigida. Muitas vezes o jovem não
demonstra angústia ou dor no ato de se auto mutilar, sendo que o alarme
acontece somente quando a escola ou algum familiar percebe e se
preocupa.  

Historicamente temos referências
destes comportamentos na bíblia, em fontes literárias e artísticas e em
registros de casos clínicos. No entanto, vem aumentando o interesse
social, clínico e científico sobre o tema, especialmente relacionado à
adolescência.

Há algum tempo, acompanhei o caso de
uma jovem que se cortava usando o estilete escolar, tendo chegado a
talhar seu próprio nome no seu antebraço. Ela vivia usando moletons de
manga longas, que encobriram as feridas e os cortes por mais de 9 meses,
momento em que é encaminhada à psicoterapia. Durante o processo, me
confidencia que havia sido estuprada aos 13 anos, em sua cidade natal, e
nunca havia contado para sua família, pois seria julgada por seu pai
machista e por sua mãe conservadora e omissa. Neste momento, verbaliza
com forte emoção: “Me corto assim porque a dor de fora ameniza a dor de
dentro”.

Aqui, vê-se que a dor física, direta
no corpo é concebida como mais tolerável que a dor psíquica decorrente
da violência sofrida sendo também um meio de apaziguá-la. Diante do
impossibilidade de fala e do isolamento decorrente da violência sofrida,
a jovem encontra a saída da automutilação, “que representa o fracasso
da palavra em sua potencialidade de conexão com o outro” (Fortes;
Macedo, 2017).

Não quero dizer aqui que todos os casos de automutilação representam um caso de violência extrema como este, mas sim uma tentativa de controlar a dor interna que, por diversas circunstâncias pode se tornar “insuportável”. Ao se provocarem a dor através dos cortes, os sujeitos retomam o controle de um afeto destrutivo que lhes atravessa, buscando um modo de domínio sobre a situação que lhes escapa totalmente ao controle (Le Breton apud Fortes; Macedo, 2017).

Diante disso, é preciso enfatizar a necessidade da busca de novos contorno e sentidos através da via da palavra e de alternativas mais saudáveis para a ressignificação da dor. Além disso, frente a nossa vivência social contemporânea em uma sociedade cada vez mais narcísica em que há o arrefecimento das relações com o outro, em que não há campo disponível para o reconhecimento da dor do outro, em que a quebra da experiência da alteridade (Fortes; Macedo, 2017) se faz presença constante, temos que pensar realmente que, infelizmente, casos como este serão cada vezes mais comuns.

Fontes:

Related Post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *